um dos grandes nomes das artes cênicas do Brasil – Fernando Peixoto!

Morre Fernando Peixoto, um dos grandes nomes das artes cênicas do Brasil Adriana Franciosi/

Fernando Peixoto foi um artista militante contra a ditadura militar Foto: Adriana Franciosi

Morreu neste domingo em São Paulo, aos 74 anos, o diretor de teatro e ator Fernando Peixoto, um dos grandes nomes das artes cênicas do Brasil. Nascido em Porto Alegre, em 1937, ele vivia desde o início da década 1960 em São Paulo, onde desenvolveu trajetória também como tradutor, pesquisador, escritor e dramaturgo.
Peixoto estava hospitalizado desde dezembro para tratar um tumor no intestino. O corpo será cremado nesta segunda-feira, em São Paulo.

Antes de se mudar para São Paulo, na companhia de sua então mulher, a atriz gaúcha Ítala Nandi, Peixoto trabalhou em Porto Alegre como ator e crítico cultural. Na capital paulista, ligou-se ao Teatro Oficina, de Zé Celso Martinez Corrêa, primeiro como ator e, a partir dos anos 1970, também como diretor. No auge da repressão da ditadura militar, Peixoto foi uma das vozes mais combativas do meio artístico contra o autoritarismo e a censura.

Entre seus principais trabalhos como diretor estão Um Grito Parado no Ar, que lhe valeu em 1973 o prêmio da APCA, e Ponto de Partida, peças de Gianfrancesco Guarnieri, Calabar, com texto de Chico Buarque e Ruy Guerra, estetáculo proibido dias antes da estreia (ele retomaria a montagem em 1980), Mortos sem Sepultura, de Jean-Paul Sartre, em 1977, e Terror e Miséria do III Reich, de Bertolt Brecht. Também dirigiu, nos anos 1980, adaptações de óperas como O Navio Fantasma, de Wagner, Lo Schiavo, de Carlos Gomes, e Madame  Butterfly, de Puccini.

O trabalho como crítico e ensaísta iniciado na Capital teve continuidade com textos nos quais Peixoto mostrava tanto sua inconformidade contra a repressão quanto seu vasto conhecimento teórico sobre o teatro. É autor, entre outros, dos livros Brecht, Vida e Obra, Maiakóvski, Vida e Obra, O Que É Teatro, Brecht: Uma Introdução ao Teatro Dialético Teatro Oficina: Trajetória de uma Rebeldia e Teatro em Aberto, este o seu último, publicado em 2002.

Peixoto teve ainda uma relevante participação no cinema brasileiro, atuando em filmes como A Queda, de Ruy Guerra, Doramundo e O Homem do Pau-Brasil, ambos de João Batista de Andrade, Eles Não Usam Black-Tie, de Leon Hirszman, O Beijo da Mulher Aranha, de Hector Babenco, e Faca de Dois Gumes, de Murilo Salles.

Neste domingo, o Ministério da Cultura, que tem com titular Ana de Hollanda, que foi dirigida por Peixoto em espetáculos nos anos 1980 e 1990, emitiu nota de pesar pelo pelo falecimento:

“O Brasil acaba de perder um dos maiores pensadores de teatro, o diretor, ator, escritor e professor Fernando Peixoto. Suas reflexões sobre o teatro internacional e sua contribuição ao teatro brasileiro na segunda metade do Século 20 foram fundamentais. Ele manteve até o fim da vida a relação de apoio e orientação aos novos atores, diretores e grupos. O Ministério da Cultura sente profundamente esta perda.
Aos familiares, amigos, aos muitos admiradores e a toda a comunidade do teatro, meu abraço solidário.”

Vitor Ortiz,
Ministro Interino de Estado da Cultura

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: